A cada poucos anos, o número de lebres com raquetes de neve no Yukon canadense chega ao pico. À medida que as populações de lebres aumentam, também aumentam as de seus predadores: linces e coiotes. Em seguida, a população de lebres despenca e os predadores começam a morrer. O ciclo é um fenômeno famoso entre os ecologistas e vem sendo estudado desde a década de 1920.

Nos últimos anos, porém, os pesquisadores chegaram a uma conclusão surpreendente: o número de lebre caiu de seu pico não apenas porque os predadores as comeram em demasia. Há outro fator também: o estresse crônico de viver cercado de assassinos faz com que as lebres mães comam menos e tenham menos bebês. O trauma de viver após repetidas perseguições de predadores desencadeia mudanças duradouras na química do cérebro que se assemelham às vistas nos cérebros de pessoas traumatizadas. Essas mudanças evitam que as lebres se reproduzam em níveis normais, mesmo depois que seus predadores morreram.

E não são apenas lebres-americanas, como os ecologistas comportamentais Liana Zanette e Michael Clinchy mostraram. Zanette e Clinchy, ambos da University of Western Ontario, são um casal que se formou em psicologia na graduação. Hoje, eles estudam o que chamam de ecologia do medo, que combina a psicologia do trauma com a ecologia comportamental do medo em animais selvagens. Eles descobriram que o medo de predadores pode fazer com que outros mamíferos selvagens e pássaros canoros gerem e criem menos crias. A prole de arganazes assustados e pardais canoros, como os de lebres com sapatos de neve estressados, têm menos probabilidade de sobreviver até a idade adulta e ter sucesso na reprodução.

Essas descobertas somam-se a um crescente corpo de evidências que mostra que experiências de medo podem ter efeitos duradouros sobre a vida selvagem e sugerem que o transtorno de estresse pós-traumático, com suas memórias flashback intrusivas, hipervigilância e ansiedade, é parte de uma resposta antiga e evoluída ao perigo. O trabalho é parte de um debate científico mais amplo sobre a natureza do TEPT e se é uma resposta evoluída compartilhada entre mamíferos, pássaros e outras criaturas, ou se é exclusiva aos humanos.

Efeitos duradouros do trauma

Os estudos sobre a ecologia do medo começaram na década de 1990. Antes disso, os cientistas presumiam que o impacto de um predador em uma presa individual era mortal ou fugaz. Se uma lebre sobrevivesse a um ataque de coiote, ou uma zebra escapasse das garras de um leão, ela seguiria em frente e viveria sua vida como antes.

Mas a pesquisa mostra que o medo pode alterar o comportamento a longo prazo e a fisiologia dos animais selvagens, de peixes a elefantes, escreveram Zanette e Clinchy na Annual Review of Ecology, Evolution and Systematics 2020. “O medo é uma resposta que todos os animais montam para evitar serem mortos por predadores”, diz Zanette. “É extremamente benéfico, porque o mantém vivo para procriar outro dia. Mas isso acarreta custos.”

As razões do medo são claras. Estudos recentes descobriram que até 32% das girafas fêmeas adultas no Serengeti carregam cicatrizes de ataques de leões, 25% dos botos no sul do Mar do Norte têm marcas de garras e mordidas de focas cinzentas e 100% de arraias em algumas águas africanas suportar múltiplas mordidas de tubarões. Esses sobreviventes podem carregar memórias de terror junto com suas cicatrizes físicas.

Rudy Boonstra, ecologista populacional da Universidade de Toronto, estudou os impactos do estresse extremo nas lebres-americanas e outros pequenos mamíferos em Yukon desde os anos 1970. Ele foi inspirado pela história de sua própria família: Boonstra nasceu na Holanda, onde sua mãe — como muitos holandeses — passou por forte estresse durante a Segunda Guerra Mundial. “Isso provavelmente afetou seus filhos”, diz ele. “Aquela sensação de estresse sendo um fator relevante em nossa biologia sempre esteve na minha mente.”

Boonstra sabia que durante a fase de declínio do ciclo da lebre com raquetes de neve, a grande maioria das lebres são mortas por predadores. Mas acabou havendo mais coisas nessa história. Quando o aluno de Boonstra, Michael Sheriff, testou fezes de lebres capturadas ao vivo durante as fases de ascensão e queda do ciclo populacional, ele descobriu que os níveis do hormônio do estresse cortisol em lebres mães flutuavam com a densidade de predador, com pico quando os predadores eram mais numerosos.

Essas mães altamente estressadas, os pesquisadores descobriram, tiveram menos bebês menores. E níveis elevados de hormônio do estresse também foram passados de mães para filhas, diminuindo as taxas de reprodução das lebres, mesmo depois que os predadores morreram e abundante vegetação estava disponível para as lebres comerem. Isso explica por que a população de lebres permanece baixa por três a cinco anos depois que os predadores praticamente desapareceram do local de estudo de Boonstra.

Os primeiros pioneiros da fisiologia do estresse focaram nos problemas humanos e viram essas respostas ao estresse como patológicas, mas Boonstra chegou a discordar. Ele vê a resposta das lebres com raquetes de neve como uma adaptação que permite aos animais tirar o melhor proveito de uma situação ruim. Animais estressados ​​por muitos predadores passam mais tempo se escondendo e menos tempo se alimentando, então eles produzem menos crias — mas isso pode permitir que mais lebres adultas sobrevivam para reconstruir a população quando o ciclo começar novamente.

Elefantes traumatizados

Alguns dos impactos mais dramáticos de traumas de vida selvagem foram observados em elefantes africanos. Suas populações diminuíram drasticamente devido à caça ilegal, abate legal e perda de habitat. Os elefantes imperturbáveis ​​vivem em grupos familiares extensos governados por matriarcas, com os machos partindo quando atingem a puberdade. Hoje, muitos elefantes sobreviventes testemunharam o massacre de suas mães e tias diante de seus olhos. Uma combinação de trauma precoce e a falta de famílias estáveis ​​que normalmente seriam ancoradas por elefantes mais velhos resultou em elefantes órfãos correndo loucamente à medida que crescem na adolescência.

“Existem paralelos interessantes entre o que vemos em humanos e elefantes”, diz Graeme Shannon, ecologista comportamental da Universidade de Bangor, no País de Gales, que estuda o elefante africano. Trauma na infância e a falta de uma família estável são os principais fatores de risco para TEPT em pessoas. E entre os elefantes que passaram por traumas, diz Shannon, “estamos vendo uma mudança radical em seu desenvolvimento e comportamento à medida que amadurecem”. Os elefantes podem permanecer em alerta máximo anos após uma experiência aterrorizante, diz ele, e reagir com maior agressividade.

Shannon experimentou isso em primeira mão quando ele e seus colegas estavam seguindo uma manada de elefantes na Reserva de Caça de Pongola, na África do Sul. Os pesquisadores mantiveram o carro a uma distância respeitosa. Mas quando eles dobraram uma curva, Buga, a matriarca do rebanho, estava bloqueando a estrada. O motorista desligou imediatamente o motor, o que geralmente faz com que os elefantes se movam em paz. Em vez disso, Buga carregou o carro. “A próxima coisa que descobrimos”, lembra Shannon, “o carro estava de cabeça para baixo e estávamos correndo”. A reação extrema de Buga, ele suspeita, estava ligada ao trauma que ela experimentou quando foi capturada e realocada seis anos antes.

As respostas humanas ao perigo, lesão e perda são provavelmente parte desse mesmo conjunto evoluído de respostas. Um vasto corpo de evidências mostra que os cérebros de ratos, homens — na verdade, todos os mamíferos e pássaros, peixes, até mesmo alguns invertebrados — compartilham uma estrutura básica comum e respostas comuns ao terror ou alegria. O circuito cerebral que sinaliza o medo e guarda memórias de eventos aterrorizantes está na amígdala, uma estrutura que evoluiu muito antes de os hominídeos com proeminentes protuberantes existirem.

A maioria das pessoas modernas com TEPT foi traumatizada em combate ou durante um ataque criminoso ou um acidente de carro. Mas as memórias intrusivas de trauma, o estado constante de alarme que pode desgastar as defesas do corpo e levar a doenças físicas — surgem dos mesmos circuitos cerebrais antigos que mantêm a lebre com sapatos de neve à procura de lince faminto ou a girafa alerta para leões.

A amígdala cria memórias emocionais e tem uma conexão importante com o hipocampo, que forma memórias conscientes de eventos cotidianos e as armazena em diferentes áreas do cérebro. Pessoas ou outros animais com amígdalas danificadas não conseguem se lembrar do sentimento de medo e, portanto, falham em evitar o perigo.

Estudos de imagens cerebrais mostraram que pessoas com TEPT têm menos volume no hipocampo, um sinal de que a neurogênese — o crescimento de novos neurônios — está prejudicada. A neurogênese é essencial para o processo de esquecimento ou para colocar as memórias em perspectiva. Quando esse processo é inibido, a memória do trauma fica gravada na mente. É por isso que as pessoas com TEPT são assombradas por memórias vívidas de uma provação muito depois de terem alcançado a segurança.

De maneira semelhante, o medo de predadores suprime a neurogênese em ratos de laboratório. E Zanette e Clinchy estão demonstrando que o mesmo padrão se aplica às criaturas selvagens que vivem em seus habitats nativos.

A neurogênese, ou a formação de novas conexões entre as células cerebrais, é crucial para a capacidade de um animal de esquecer e seguir em frente após um susto. O medo intenso - especialmente quando acompanhado de trauma físico - suprime a neurogênese e pode levar a memórias persistentes que mantêm os animais em um estado de medo permanente que os impede de se alimentar livremente. Isso, por sua vez, pode significar menos descendentes.

Os cientistas começaram transmitindo os gritos dos falcões em uma floresta e descobriram que as pardais fêmeas que ouviam os gritos produziam 40% menos crias vivas do que aquelas que não ouviam. Em experimentos posteriores, eles mostraram que cowbirds de cabeça marrom e chapins de bico preto que ouviam os chamados de predadores mostraram mudanças neuroquímicas duradouras devido ao medo uma semana inteira depois. Os cowbirds reduziram os níveis de duplecortina, um marcador para o nascimento de novos neurônios, tanto na amígdala quanto no hipocampo.

O mesmo padrão foi mostrado em ratos selvagens e em peixes que vivem com altos níveis de ameaça de predadores. Esses sinais neuroquímicos são paralelos aos observados em modelos de roedores de TEPT que os pesquisadores há muito usam para entender a síndrome em humanos.

O TEPT é exclusivamente humano?

Apesar da crescente evidência de que uma ampla gama de animais experimenta impactos de longo prazo de estresse extremo, muitos psicólogos ainda veem o TEPT como um problema exclusivamente humano. “O TEPT é definido em termos de respostas humanas”, diz David Diamond, neurobiologista da Universidade do Sul da Flórida. “Não há medida biológica — você não pode fazer um exame de sangue que diga que alguém tem TEPT. Esta é uma doença psicológica, e é por isso que a chamo de distúrbio humano. Porque um rato não pode dizer a você como se sente.”

Alguns pesquisadores agora discordam dessa visão centrada no ser humano do TEPT, no entanto. “Muitas coisas são compartilhadas entre humanos e outros mamíferos”, diz Sarah Mathew, uma antropóloga evolucionista da Arizona State University. Isso inclui aprender sobre o perigo e reagir a ele, evitando situações que apresentem riscos de ameaça à vida. Mathew acredita que o TEPT tem raízes evolutivas profundas e que alguns de seus sintomas surgem de adaptações — como um estado de alerta elevado — que permitem que indivíduos de muitas espécies, incluindo a nossa, administrem o perigo.

Essa perspectiva evolucionária está começando a mudar as mentes. Clinchy e Zanette organizaram conferências sobre a ecologia do medo e TEPT que reúnem ecologistas, psiquiatras e psicólogos. “Os psiquiatras e psicólogos estavam falando sobre o TEPT como uma adaptação inadequada”, lembra Clinchy. “Estávamos argumentando que este é um comportamento adaptativo, para mostrar essas reações extremas neste contexto particular, porque isso aumenta a sua sobrevivência.”

Diamond chegou a concordar. O cérebro de alguém com TEPT, diz ele, “não é um cérebro danificado ou disfuncional, mas um cérebro superprotetor. Você está falando sobre alguém que sobreviveu a um ataque contra sua vida. Portanto, a hipervigilância, a incapacidade de dormir, os pesadelos persistentes que fazem a pessoa reviver o trauma — isso é parte de uma resposta adaptativa que deu errado.”

“Há um estigma envolvido no TEPT, frequentemente”, diz Zanette, “então as pessoas não procuram tratamento. Mas se os pacientes podem entender que seus sintomas são perfeitamente normais, que há uma função evolutiva para seus sintomas, isso pode aliviar um pouco do estigma em torno disso para que as pessoas possam ir e procurar tratamento”.

Tradução do texto Do wild animals get PTSD? Scientists probe its evolutionary roots escrito por Sharon Levy e disponível em Knowable Magazine.

Mário Pereira Gomes
Mário Pereira Gomes

Graduado em História (UFPE), transhumanista e divulgador científico.

Gostou do conteúdo?

Nossa organização depende do retorno do público. Sua ajuda, portanto, seria muito bem vinda. Para colaborar, clique no coração!