No vasto arsenal do armamento animal, os dispositivos mais exagerados, elaborados e diversos, como presas, garras e chifres, não foram moldados pela necessidade de afastar predadores ferozes. Em vez disso, essas formas impressionantes são impulsionadas pelo sexo.

“Todo mundo entende por instinto que geralmente são os machos que têm exibições chamativas ou armas como presas e chifres”, diz Doug Emlen, um especialista em armamento animal da Universidade de Montana em Missoula. Os biólogos dizem que essas formas fantásticas  — das presas curvadas gigantes de mamutes lanudos às mandíbulas assustadoras dos besouros  — evoluíram para afastar a competição de machos rivais e impressionar as fêmeas.

Exemplos de tais armas sexualmente selecionadas abundam em todo o reino animal em insetos, peixes, crustáceos, répteis e mamíferos tão variados como um um narval, um rinoceronte e ou alces. Até mesmo espécies já extintas, como trilobitas e dinossauros, exibiam projeções elaboradas. O número e a variedade de exemplos demonstram que a evolução se voltou para o armamento uma e outra vez na corrida reprodutiva.

É um tema tão comum que Emlen teve que persuadir seus editores a incluir sete desenhos detalhados de página inteira em um levantamento do armamento natural que ele escreveu para a Annual Review of Ecology, Evolution and Systematics de 2008, apresentando mais de 280 exemplos de pontas, chifres, galhadas, pinças, presas, garras, mandíbulas estendidas, serras e lanças. A ilustração abaixo oferece uma amostra.


Os cientistas ainda debatem o grau em que a escolha feminina desempenha na evolução dessas armas e ainda estão tentando descobrir quais fatores impulsionam a diversidade de formas vistas até mesmo entre espécies estreitamente relacionadas. Mas já está claro que a grande variedade de armas evoluiu para facilitar o acasalamento bem-sucedido.

Lutando por fêmeas
Como as estruturas em si, os tipos de combate também variam muito. Os besouros rinocerontes, batizados por seus chifres parecidos com os dos rinocerontes verdadeiros, protegem o acesso aos exsudados de seiva das árvores de que as fêmeas se alimentam antes de pôr os ovos. Os machos rivais avaliam uns aos outros, e se os tamanhos de seus chifres forem semelhantes, um confronto acontece e cada um usa seus chifres para tentar sacudir, erguer e jogar seu rival do galho da árvore.

Na maioria das espécies de caranguejo violinista o macho guarda suas tocas, onde ocorre o acasalamento. Os machos em duelo empurram e batem nas garras ampliadas uns dos outros  —  e, se a luta aumentar, eles travam as garras, como se estivessem testando a força um do outro. Se alguém decidir que tem a vantagem, este arremessa seu oponente para longe da toca.

As armas mais intimidadoras parecem evoluir sempre que três critérios são atendidos, diz Emlen. Um: os machos devem competir por recursos como comida ou fêmeas. Dois: é possível que o acesso a esses recursos seja protegido com sucesso. E três: os machos da mesma espécie competem em duelos um contra um.

Mas a luta quase nunca é mortal e raramente resulta em ferimentos graves. Os cientistas dizem que isso dá suporte à ideia de que essas armas são construídas para rivalidade  —  projetadas e otimizadas não para destruição, mas para lutas de poder. De fato, a variação no tamanho do armamento masculino é enorme, observa Emlen. “Embora o tamanho geral do corpo entre os adultos machos de alce possa variar em um fator de 2 no máximo, seus suportes de chifre podem variar em um fator de mais de 30”, diz ele. E as armas mais deslumbrantes atuam em grande parte como impedimentos, com lutas reais ocorrendo apenas quando os machos estão intimamente ligados.

Armas para exibição
À medida que esses armamentos ficam maiores e mais vistosos, eles acarretam o custo de produção e transporte dessas grandes estruturas. (E às vezes outros custos: os caranguejos machos só conseguem enfiar algas na boca com uma garra de duas.) Estudos mostram que os tamanhos das armas são sensíveis à nutrição, carga de parasitas, estresse e condição física geral – portanto, os indivíduos mais saudáveis e em boa forma ostentam as armas mais impressionantes.

Os pesquisadores consideram essas armas masculinas ostentosas como sinais honestos – algo que anuncia fielmente o poder e a aptidão do proprietário. E não apenas preparação física. Um estudo com quase 200 veados-vermelhos ibéricos mediu o tamanho e a complexidade dos chifres desses animais e descobriu que chifres maiores e mais elaborados se correlacionavam com testículos maiores e espermatozoides mais rápidos. A partir dessa e de outras evidências, muitos biólogos pensam que armas maiores também podem anunciar superioridade reprodutiva.

E enquanto Emlen acredita que as armas masculinas evoluíram principalmente para o propósito de batalhas de rivalidade entre machos, o fisiologista Brook Swanson, da Gonzaga University em Spokane, Washington, argumenta que esses sinais quase certamente também estão sendo avaliados por fêmeas que escolhem parceiros. “Mesmo se um macho pudesse bater em todos os outros machos, as fêmeas quase sempre têm uma escolha específica”, diz ele.

Pegue aqueles caranguejos violinistas. Os machos de mais de 100 espécies de caranguejos têm garras alargadas, e pesquisas sugerem que as fêmeas podem ser exigentes. Alguns cruzarão uma área com várias tocas de machos e avaliarão as armas que estão sendo apontadas para eles, entre outras coisas, antes de selecionar um parceiro. “Não sabemos o que a fêmea está pensando, mas ela está levando em consideração um monte de informações complicadas”, diz Swanson.

Embora os cientistas acreditem que o papel principal dessas armas animais esteja na reprodução, há casos em que as armas também servem como impedimentos ou defesas contra predadores – provavelmente como um bônus evolutivo. Os chifres de alce são um exemplo disso. Ao contrário de muitas outras espécies norte-americanas da família dos veados, os alces ficam pendurados em seus chifres até março, muito depois do fim da temporada de acasalamento em outubro. Quando Matt Metz, um estudante de PhD na Universidade de Montana, e seus colegas rastrearam a morte de lobos no Parque Nacional de Yellowstone, eles descobriram que, durante março, os lobos têm três a quatro vezes mais probabilidade de atacar um alce macho sem chifre do que um com chifres.

Como os alces raramente usam os chifres na defesa, preferindo empinar e chutar os predadores com seus cascos dianteiros, presumivelmente as estruturas servem como impedimentos, diz Metz. No entanto, se os chifres tivessem evoluído principalmente como defesa contra predadores, não faria sentido eliminá-los, acrescenta ele  —  e as fêmeas também deveriam tê-los.

Enfeites e babados
Por que a natureza surgiu com uma gama tão bizarra de formatos e formas em questão de armamento permanece um mistério. Mas, como regra geral, diz Swanson, a evolução tendeu a exagerar as estruturas já existentes. Caranguejos e lagostas têm garras em pinça que ao longo do tempo evolutivo aumentaram de tamanho. E os artrópodes (aranhas, insetos e crustáceos) têm exoesqueletos que mudanças genéticas podem esculpir para formar projeções, como os chifres ou mandíbulas gigantes vistas nos besouros.

As armas também são provavelmente moldadas pelo tipo de combate e pelo contexto onde ele acontece —  conforme comprovado pelo trabalho sobre a forma dos chifres do besouro rinoceronte feito pela bióloga evolucionista Erin McCullough. Como estudante de pós-graduação com Emlen, ela passou dois verões em Taiwan gravando as brigas entre esses besouros, que têm um chifre em forma de forquila. Ela comparou essas lutas com as do besouro hércules, que tem chifres grossos e beliscadores, e uma espécie de besouros do gênero Golofa, que tem chifres mais finos em forma de espada. Cada um luta de maneiras ligeiramente diferentes, todas com o objetivo de acertar o oponente de um galho de árvore ou um broto de bambu.

McCullough, agora pesquisadora de pós-doutorado na Syracuse University em Nova York, primeiro mediu quanta força era necessária para desalojar um macho de tamanho médio de um galho. Em seguida, ela fez uma tomografia computadorizada dos chifres das criaturas, construiu modelos 3D das estruturas e usou ferramentas de engenharia para calcular as tensões e deformações que as estruturas poderiam suportar. Ela descobriu que cada chifre tinha melhor desempenho sob as forças do estilo de luta específico da espécie. “Isso explica o motivo pelo qual espécies diferentes têm armas diferentes”, diz ela.

Em outubro, um grupo internacional de pesquisadores usou as mesmas técnicas de modelagem computacional para sugerir que os maiores chifres que já existiram  —  os alces irlandeses pré-históricos de 3,6 metros de largura por 1,5 metros de altura  —  também foram usados no contexto do combate masculino.

Mas McCullough observa que as armas mais assustadoras e vistosas nem sempre são letais. Segundo ela, alguma diversidade, como arabescos e pontas extras, provavelmente é impulsionada pelas funções de exibição das armas.

Chifres feitos para cortejo

Algumas das maiores armas animais já encontradas estão adornadas nas cabeças de dinossauros. Um exemplo é visto nos chifres e babados do triceratops, um tipo de dinossauro ceratopsídeo  —  herbívoros de grande porte que viviam em grandes rebanhos em espaços abertos, não muito diferentes das renas. “Eles tinham os maiores crânios terrestres conhecidos, em parte devido a essas grandes estruturas ósseas em suas cabeças”, disse Scott Sampson, paleontólogo e diretor executivo da Academia de Ciências da Califórnia em San Francisco.

Claro, é complicado estudar o comportamento dos dinossauros, ou mesmo determinar o sexo de um esqueleto, a partir de fósseis. Os paleontólogos continuam a debater se essa decoração incomum foi usada para ajudar indivíduos da mesma espécie no reconhecimento individual, para competições de acasalamento macho-mach, para sinalização sexual para as fêmeas, para defesa etc. Mas Sampson diz que várias linhas de evidência o persuadem de que esses chifres tinham as funções de armamento e exibição sexual em vez de serem lanças feitas para afastar predadores — indivíduos de outras espécies.

É importante ressaltar que essas características não são ou foram totalmente desenvolvidas até que os animais atinjam o tamanho adulto e a idade reprodutiva. E muitas das características dos chifres, espinhos e babados de dinossauros eram “ruins” como armas contra predadores carnívoros, diz Sampson. Alguns eram finos ao ponto da fragilidade ou curvados na direção aparentemente errada. Tomemos, por exemplo, Kosmoceratops, um fóssil extravagante encontrado no sul de Utah que ostentava 15 chifres em sua face, o topo de seu crânio e seu folho ósseo, alguns dos quais se curvam sobre si mesmos. “Tenho certeza de que esse padrão tem tudo a ver com show”, diz Sampson. Ceratopsídeos, diz ele, teriam mais probabilidade de usar seu tamanho como uma arma contra predadores.

De espinhos e placas em gigantes do final do Cretáceo a chifres em pequenos besouros modernos, fabricar e transportar armas chamativas pode ter um enorme custo de energia. Os chifres em alces são análogos, por exemplo, a um homem de 80kg que usa uma corrente de ouro de 6kg em volta do pescoço.

Mas os custos valem a pena. “Em muitos sistemas de acasalamento, se você não produzir um armamento, seu sucesso será zero”, diz Swanson. “Você não tem escolha a não ser jogar.”


Tradução do texto The weapons of sexual rivalry, escrito por Kendall Powell e disponível em Knowable Magazine.

Mário Pereira Gomes
Mário Pereira Gomes

Graduado em História (UFPE), transhumanista e divulgador científico.

Medium
Gostou do conteúdo?

Nossa organização depende do retorno do público. Sua ajuda, portanto, seria muito bem vinda. Para colaborar, clique no coração!