O professor David M. Buss, um importante psicólogo evolucionista, afirma na introdução de seu novo e fascinante livro, When Men Behave Badly (algo como “Quando Homens Têm Mau Comportamento”, em tradução livre e ainda sem edição em português), que ele “revela as raízes ocultas do conflito sexual”. Embora o livro enfoque o mau comportamento masculino, ele também contém uma visão ampla e fascinante da psicologia do acasalamento.

O sexo, conforme definido pelos biólogos, é indicado pelo tamanho de nossos gametas. Os machos têm gametas menores (espermatozoides) e as fêmeas têm gametas maiores (óvulos). Em termos gerais, mulheres e homens tinham interesses conflitantes no ambiente ancestral. As mulheres eram mais vulneráveis do que os homens. E as mulheres corriam muito mais riscos ao fazer sexo, incluindo a gravidez, o que era perigoso em um ambiente sem tecnologia moderna. Além dos custos físicos, nas fases finais da gravidez as mulheres também devem obter calorias extras. De acordo com o Colégio Real de Obstetras e Ginecologistas da Grã-Bretanha, as mulheres grávidas no último trimestre precisam de 200 calorias adicionais por dia, ou 18.000 calorias a mais no total do que de outra forma teriam exigido. Esse excedente não foi fácil de obter para nossos ancestrais. Os homens, em contraste, não enfrentam o mesmo nível de risco sexual.

David Buss, psicólogo evolucionista.

Essas diferenças na biologia reprodutiva deram origem a diferenças na psicologia sexual que são comparáveis às diferenças de sexo em altura, peso e massa muscular da parte superior do corpo. No entanto, Buss tem o cuidado de observar que tais diferenças sempre carregam o qualificador “na média”. Algumas mulheres são mais altas do que alguns homens — mas, em média, os homens são mais altos. Da mesma forma, algumas mulheres preferem ter mais parceiros sexuais do que alguns homens — mas, em média, os homens preferem mais. Essas diferenças evoluídas são a principal fonte de conflito.

Um dos objetivos do livro é destacar as situações em que o conflito sexual é diminuído ou ampliado para prevenir a vitimização e reduzir os danos.

Por causa do maior risco que as mulheres carregam, elas tendem a ser mais seletivas com seus parceiros. Em contraste, os homens são menos exigentes. Estudos de namoro online, por exemplo, descobriram que a maioria dos homens acha que a maioria das mulheres é pelo menos um tanto atraente. Em contraste, as mulheres, em média, veem 80% dos homens como abaixo da média em atratividade. Outro estudo descobriu que no aplicativo de namoro Tinder, os homens “gostaram” de mais de 60% dos perfis femininos que visualizaram, enquanto as mulheres “gostaram” de apenas 4,5% dos perfis masculinos.

O livro fornece uma figura simples para entender o conflito em curso entre homens e mulheres.

Os homens estão constantemente tentando manipular as mulheres para que se aproximem de seu ideal preferido, e as mulheres estão da mesma forma incansavelmente influenciando os homens a se aproximarem dos seus. Buss escreve:

Se mulheres e homens pudessem concordar com antecedência em um meio-termo que não fosse perfeito para nenhum dos dois mas aceitável para ambos […] eles poderiam evitar muitos desses custos.

Como os riscos sexuais são maiores e os erros sexuais são mais perigosos para as mulheres, elas preferem esperar mais para avaliar um parceiro em potencial quanto à adequação. Para os homens, os erros sexuais são vistos de forma diferente. Pesquisas indicam que, quando solicitadas a refletir sobre sua história sexual, as mulheres têm maior probabilidade de se arrepender de ter feito sexo com alguém, enquanto os homens têm maior probabilidade de se arrepender de terem perdido oportunidades sexuais.

Mesmo nos países mais igualitários, os homens preferem mais parceiras sexuais do que as mulheres. Na Noruega, os pesquisadores perguntaram às pessoas quantos parceiros sexuais elas prefeririam nos próximos 30 anos. Em média, as mulheres preferiram cinco, os homens preferiram 25. Até o desejo de beijar antes da relação sexual difere entre os sexos. Cerca de 53% dos homens relatam que fariam sexo sem beijar, enquanto apenas 14,6% das mulheres fariam sexo sem beijar. Essas preferências diferentes podem dar origem a conflitos sexuais.

Certa vez, assisti a um episódio de Mad Men onde o belo protagonista Don Draper é infiel a sua linda esposa, Betty. A jovem que estava assistindo comigo perguntou: “Por que ele a trairia? Ela é tão bonita.”

Buss explica o porquê:

Muitos homens são oprimidos pelo desejo de uma variedade maior de mulheres diferentes, desejos constantes que nunca podem ser totalmente satisfeitos […]. Isso explica por que um astro de cinema bonito como Hugh Grant faria sexo com uma prostituta, apesar de ter Elizabeth Hurley, uma linda modelo e atriz, como sua então namorada firme.


O livro relata pesquisas assustadoras sobre machos predadores. Os pesquisadores filmaram indivíduos caminhando pelo mesmo quarteirão na cidade de Nova York. As fitas foram mostradas a 53 presidiários condenados por crimes violentos. Os presos mostraram forte consenso sobre quem eles iriam vitimar. Eles escolheram indivíduos que se moviam de maneira descoordenada, com passadas muito curtas ou longas para sua altura. Em outro conjunto de estudos, os pesquisadores descobriram uma associação entre os alvos escolhidos pelos homens e a frequência auto-relatada das mulheres de terem sido vítimas de violência sexual no passado. Isso sugere que as mulheres que sofrem de encontros sexuais indesejados inadvertidamente emitem pistas que os machos predadores podem detectar.

Quem está mais sujeito a infligir custos a membros do sexo oposto? Buss retransmite pesquisas sobre traços de personalidade da Tríade Negra que abrangem narcisismo (intitulado como autoimportância), maquiavelismo (exploração estratégica e duplicidade) e psicopatia (insensibilidade e cinismo). Homens com alto teor dessas características são mais propensos a assediar, perseguir e abusar das mulheres.

A tríade negra: psicopatia, narcisismo e maquiavelismo.

Para mulheres com pontuações altas na Tríade Negra, a pesquisa indica que elas são mais propensas a atrair homens apegados para longe de suas parceiras, que são mais propensas a usar o sexo para progredir no trabalho. Elas também são mais propensas do que outras mulheres a dizer que tiveram menos parceiros sexuais do que realmente tiveram. O engano costuma prevalecer no mercado de acasalamento. E o engano envolve a compreensão do que o sexo oposto deseja. Por exemplo, em sites de namoro, os homens exageram sua renda em cerca de 20% em média e arredondam sua altura em cerca de cinco centímetros. Da mesma forma, as mulheres em sites de namoro diminuem seu peso em cerca de 7 quilos.

O livro discute uma das principais fontes de conflito sexual que se origina de dois preconceitos: superpercepção e subpercepção sexual. Em média, os homens têm um viés de percepção excessiva — inferindo erroneamente o interesse sexual de mulheres, que não está presente. Enquanto isso, as mulheres têm um preconceito de subpercepção — negligenciando erroneamente o interesse sexual existente dos homens. Da mesma forma, uma pesquisa liderada pela professora de psicologia April Bleske-Rechek descobriu que os homens são mais propensos a se sentirem atraídos por suas amigas do que o contrário, e que têm mais probabilidade de acreditar que suas amigas se sentem atraídas por eles. Em contrapartida, as mulheres normalmente não se sentiam atraídas pelos amigos homens e presumiam que essa ausência de atração era mútua. Mas diferenças individuais existem. Homens com pontuação alta em narcisismo são especialmente propensos a captar incorretamente o interesse inexistente das mulheres.

Outro fator situacional que dá origem ao conflito sexual é uma mudança nas condições de vida. Buss observa que em nosso passado evolutivo, as mulheres jovens eram tipicamente cercadas por parentes e outros aliados sociais. Sua mera presença dissuadiu possíveis predadores sexuais. Em contraste, muitas jovens no Ocidente moderno terminam o ensino médio e vão direto para a faculdade. Eles estão, então, em um novo ambiente sem tais aliados familiares, cercados por drogas novas no tempo evolutivo, cultura de sexo e jovens imaturos.


Além de apresentar pesquisas sobre as variáveis que predizem a agressão sexual e o conflito, Buss retransmite pesquisas sobre estratégias de acasalamento. Por exemplo, o livro compartilha descobertas que indicam que as pessoas em relacionamentos firmes costumam cultivar “companheiros de apoio” para caso seus relacionamentos atuais fracassem. Mesmo as pessoas felizes em seus relacionamentos podem apresentar essa estratégia, muitas vezes criando e mantendo amizades com pessoas do sexo oposto.

Uma linha de pesquisa de Buss e seus colegas descobriu que pessoas heterossexuais buscam qualidades diferentes em amigos do mesmo sexo e de sexo oposto. Para amigos do mesmo sexo, homens e mulheres priorizaram personalidade e inteligência social. Para os amigos do sexo oposto, porém, os homens atribuíam maior valor à atratividade, enquanto as mulheres atribuíam maior valor aos recursos econômicos e à capacidade física. Isso implica que homens e mulheres priorizam as mesmas características para amigos do sexo oposto e para parceiros românticos.

Por que as pessoas traem seus parceiros românticos? Para os homens, parece que a principal razão pela qual se perdem é o desejo de variedade sexual. Na verdade, os homens que traem são tão felizes no casamento quanto os homens fiéis. Em contraste, as mulheres que que traem costumam ser infelizes. As mulheres que têm casos frequentemente desejam se desligar de relacionamentos nos quais estão insatisfeitas e procuram um parceiro melhor. Na verdade, apenas 30% dos homens relatam ter se apaixonado por suas parceiras, enquanto para as mulheres é de 79%.

Curiosamente, as pessoas tendem a manter duplos padrões sobre o que pode ser considerado traição. Por exemplo, 41% dos homens relatam que o contato oral com os órgãos genitais de alguém que não seja sua parceira conta como “sexo”. Mas e se o parceiro deles tivesse contato oral com os órgãos genitais de outra pessoa? Para esta pergunta, 65% dos homens disseram que isso contaria como sexo.

E para as mulheres? 36% das mulheres disseram que se tivessem contato oral com os órgãos genitais de outra pessoa que não seu parceiro, isso contaria como sexo. Mas 62% disseram que se o parceiro tivesse contato oral com outra pessoa, isso contaria como sexo.

Parece que as pessoas acreditam que podem praticar sexo oral e isso seria ótimo, mas eles considerariam traição se seus parceiros tivessem o mesmo comportamento.

Além da infidelidade romântica, Buss relata dados sobre infidelidade de recursos. Uma pesquisa na cidade de Nova York descobriu que cerca de 4 em cada 10 mulheres e homens casados revelaram que tinham uma conta bancária secreta. Outro estudo descobriu que 80% das pessoas casadas admitiram esconder dinheiro de seus cônjuges. Isso não reflete exatamente bem nas pessoas. Mas, como Buss enfatiza ao longo do livro, “adaptável” não significa “moralmente bom”. Frequentemente, as culturas criam normas morais para suprimir certos comportamentos que podem ser benéficos para o indivíduo, mas ruins para a comunidade (por exemplo, roubar).

Por causa da possibilidade de traição, as pessoas se engajam na “guarda do parceiro” — comportamentos vigilantes que são executados para impedir que outras pessoas busquem um encontro sexual com seu parceiro. Isso é mais comum do que muitos pensam — 87% dos homens e 75% das mulheres relatam que tentaram atrair alguém de seu relacionamento existente para um encontro sexual de curto prazo.

Os homens são mais propensos a se engajar na guarda das companheiras se suas esposas forem particularmente atraentes. Curiosamente, as mulheres têm uma probabilidade ligeiramente menor de se envolver na guarda do parceiro se seus maridos forem fisicamente atraentes. Em contraste, as mulheres são mais propensas a se envolver na guarda do companheiro se seus maridos forem ricos.

Ainda outra fonte de conflito de relacionamento é quando há uma incompatibilidade de atratividade entre um casal romântico. Pessoas com parceiros que eram igualmente ou mais desejáveis para si mesmas relataram maior satisfação em seus relacionamentos. No entanto, o parceiro de maior valor tem maior probabilidade de trapacear e mais probabilidade de deixar o relacionamento, porque simplesmente tem mais opções.

Ainda assim, se a pessoa mais atraente acredita que seu próprio parceiro é mais desejável do que suas alternativas, ela tende a se contentar. Mas isso é difícil de sustentar no mundo moderno. Os aplicativos de namoro abriram um vasto leque de potenciais parceiros. Em uma cidade pequena, um 10 pode ser feliz no casamento com um 8. Mas se conseguirem pegar o telefone e encontrar 9s e 10s, é mais provável que se desviem.

Na verdade, Buss sugere que o mundo moderno criou uma forma de competição sexual descontrolada. Alguns veem celebridades, pseudocelebridades e influenciadores nas redes sociais e acreditam que essas imagens idealizadas representam seus concorrentes. Além disso, a proliferação de “selfies sensuais” pode ser devido em parte à desigualdade econômica, à medida que as mulheres competem para ganhar a atenção de um grupo cada vez menor de homens economicamente bem-sucedidos.

Da mesma forma, aqueles com menor valor de companheiro (mate value) mostram um comportamento mais controlador e agressivo para com seus parceiros. Por exemplo, homens mais altos relatam menos ciúme em seus relacionamentos do que homens mais baixos. Homens mais baixos são mais propensos a se envolver na guarda da parceira para evitar que suas parceiras se desviem. Similarmente, mulheres e homens com menor valor de companheiro têm maior probabilidade de se envolver em agressão física contra suas parceiras e infligir ferimentos a elas.


O livro compartilha descobertas alarmantes sobre a violência praticada por parceiros íntimos. Por exemplo, estudos indicam conclusivamente que as esposas jovens têm maior probabilidade de serem vítimas do que as esposas mais velhas. Alguns sugeriram que isso ocorre porque as mulheres jovens são mais propensas a ter parceiros homens jovens, que são particularmente propensos à agressão. No entanto, as mulheres jovens casadas com homens muito mais velhos — cinco a 25 anos mais velhos — têm maior probabilidade de sofrer abusos. Buss sugere isso devido às mulheres jovens terem maior probabilidade de serem protegidas pelo companheiro, porque têm maior probabilidade de engravidar. Assim, seus parceiros são mais controladores para impedir a possibilidade de caça furtiva de parceiros.

Perturbadoramente, os homens têm duas vezes mais chances de perpetrar violência contra suas parceiras quando elas estão grávidas. Uma possível explicação é que esses homens suspeitam que sua parceira está grávida do filho de outra pessoa. De fato, Buss relata pesquisas que mostram que mulheres abusadas durante a gravidez tinham maior probabilidade de carregar filhos de um homem diferente de seu parceiro atual.

Além disso, ter enteados prediz violência por parceiro íntimo. Um estudo canadense descobriu que mulheres com filhos de uma parceria anterior buscaram proteção em abrigos para mulheres agredidas em uma taxa cinco vezes maior que a de mulheres da mesma idade cujos filhos eram parentes de seus atuais parceiros. “Da perspectiva do padrasto”, escreve Buss, “um enteado é normalmente visto como um custo, não um benefício, da relação de acasalamento.” Em relação às crianças aparentadas, os homens, em média, são mais relutantes em doar seu tempo e recursos para crianças não aparentadas. Na verdade, ser enteado é o maior fator de risco para ser morto quando bebê ou criança pequena, mesmo controlando a pobreza e o status socioeconômico. Da mesma forma, estudos com bebês mostram que eles têm um medo único de homens desconhecidos.

Ao longo do livro, Buss tem o cuidado de observar que só porque um comportamento é adaptativo ou “natural” não significa que seja moralmente bom ou desejável. As doenças são “naturais”, mas a ciência moderna desenvolveu vacinas e procedimentos médicos para eliminá-las. Da mesma forma, as pessoas podem implementar instrumentos pessoais, sociais e legais para restringir as facetas mais sombrias da psicologia masculina.

E como o título indica, o livro explora o tema da coerção sexual. Os perpetradores de assédio sexual tendem a visar mulheres jovens e solteiras. De fato, um estudo descobriu que embora as mulheres entre 20 e 35 anos representassem apenas 43% da força de trabalho, elas registraram 72% das queixas de assédio. Outro estudo descobriu que as mulheres têm muito mais medo de estupro do que outros crimes, como ser espancadas ou ameaçadas com uma faca ou arma. Buss sugere que esse medo fundamental impulsiona o medo das mulheres de outros crimes. Na verdade, embora os homens sejam mais propensos a serem agredidos fisicamente e assassinados do que as mulheres, as mulheres ainda relatam mais medo de tais crimes. Mas, uma vez que o medo das mulheres de estupro é estatisticamente controlado, elas não têm mais medo de outros crimes violentos do que os homens. Esse medo também parece estar relacionado à idade. Mulheres de 19 a 35 anos mostraram o maior medo da agressão sexual, e esse medo diminui com a idade. Mulheres na casa dos 60 anos relatam mais medo de arrombamento de casa do que de estupro. No geral, a evidência sugere que os medos das mulheres seguem sua vulnerabilidade real relacionada à idade, indicando uma poderosa sabedoria psicológica.

Sem surpresa, homens e mulheres reagem ao assédio sexual de maneiras que estão de acordo com a psicologia evolucionista. Quando os homens foram questionados sobre como se sentiriam se seu colega de trabalho do sexo oposto lhes pedisse para fazer sexo, 67% dos homens disseram que ficariam lisonjeados e apenas 15% disseram que se sentiriam insultados. Em contraste, 63% das mulheres disseram que se sentiriam insultadas e apenas 17% disseram que ficariam lisonjeadas.

Curiosamente, homens e mulheres convergem em suas respostas quando questionados sobre qual porcentagem de homens estaria disposta a cometer estupro. As mulheres estimam que cerca de um terço dos homens cometeriam estupro se não houvesse consequências, e cerca de um terço dos homens relatam que cometeriam estupro se acreditassem que poderiam escapar impunes.


Que tipo de homem? Como mencionado acima, as características da Tríade Negra predizem agressão sexual. Talvez o mais surpreendente seja o fato de as pesquisas indicarem que os homens de status elevado são particularmente propensos a cometer agressão sexual. Buss escreve, “homens com dinheiro, status, popularidade e poder são mais propensos a serem predadores sexuais”. Esses resultados são paralelos à descoberta desconcertante de que os homens que usam a coerção sexual têm mais parceiras do que os que não usam. Uma ideia popular é que os homens desesperados ou privados de oportunidades de sexo terão maior probabilidade de usar a coerção. Isso é conhecido como a “hipótese de privação de companheiro”. No entanto, estudos sugerem o contrário. Homens que têm mais parceiras relatam níveis mais altos de agressão sexual em comparação com homens com menos parceiras. Além disso, os homens que preveem que seus ganhos futuros serão altos também relatam níveis maiores de agressão sexual em relação aos homens que preveem que seus ganhos futuros serão baixos.

Um fator contribuinte pode ser um déficit de empatia — o livro relata que o status elevado está vinculado a níveis mais baixos de empatia. Homens com altos traços da Tríade Negra são vistos como mais atraentes pelas mulheres, são mais propensos a ter parceiros sexuais consensuais e são mais propensos a se envolver em coerção sexual.

Este livro é uma exploração cativante em conflitos sexuais, psicologia de acasalamento, diferenças de sexo e muito mais. Buss fecha com comentários sobre como mitigar o comportamento masculino repreensível. Embora a evolução tenha dado origem a aspectos mais sombrios da psicologia masculina, a evolução também instilou tendências que podem suprimi-la. “Somos uma espécie que segue regras”, observa Buss. Nós evoluímos para nos preocupar profundamente com status social, reputação, opinião de grupo e normas morais. Podemos usar algumas facetas de nossa psicologia evoluída para amortecer outras.


Tradução do texto When Men Behave Badly — A Review escrito por Rob Henderson.

Mário Pereira Gomes
Mário Pereira Gomes

Graduado em História (UFPE), transhumanista e divulgador científico.