Depois de uma certa idade, a maioria dos adultos estabelece parcerias de longo prazo que permanecem relativamente estáveis ​​por anos, até mesmo por toda a vida. Mas não é incomum, também, que as pessoas tenham relacionamentos mais breves e menos comprometidos: conexões, “amigos com benefícios”, casos extraconjugais e assim por diante.

Isso representa um problema para os psicólogos evolucionistas, que procuram explicar muito do comportamento humano como adaptações herdadas que surgiram ao longo de dezenas de milhares de anos. É fácil encontrar uma razão adaptativa pela qual os homens podem buscar relacionamentos sexuais de curto prazo. Afinal, um homem promíscuo poderia potencialmente gerar dezenas, até centenas de filhos, contribuindo assim com mais de seus genes para a próxima geração — uma vitória, em termos evolutivos. Mas as assimetrias de gravidez e lactação significam que uma mulher não pode ter centenas de filhos, então ela ganha poucos benefícios, evolutivamente falando, semeando aveia selvagem. Por que, então, as mulheres deveriam se envolver em namoros de curto prazo?

Uma possibilidade, é claro, é que não haja um objetivo evolucionário em jogo, que as mulheres estejam apenas aproveitando os benefícios de nossa sociedade moderna, relativamente igualitária e equipada com anticoncepcionais. É provável que haja algum mérito nessa explicação. Simplesmente falar sobre o comportamento humano como os psicólogos evolucionistas fazem — como se fôssemos apenas mais um animal pilotado pelo instinto — pode atrair a ira de alguns cientistas sociais e membros do público em geral, que se opõem a que a biologia não é o destino e que as pessoas controlam seu próprio comportamento . Mas os psicólogos evolucionistas se perguntam se pode haver outras forças operando também, com as escolhas de parceiros de curto prazo das mulheres representando uma estratégia ativa com objetivos evolutivos específicos. Classificar isso surgiu como um dos tópicos de pesquisa atuais mais quentes no campo do comportamento humano de acasalamento.

Teoria arremesso

A explicação evolucionária padrão para os relacionamentos de curto prazo das mulheres, pelo menos para aquelas que já têm um parceiro de longo prazo, é que um caso amoroso pode ser uma boa estratégia porque oferece uma oportunidade de acasalar com alguém mais fisicamente atraente do que ela parceiro regular, aquele cara confiável e carinhoso. “Esses homens sensuais tendem a ter mais parceiras — e, historicamente, mais filhos — do que os bons pais”, diz Sarah Hill, psicóloga evolucionista da Texas Christian University em Fort Worth. Uma mulher que adquire esses genes sensuais para seus filhos, então, deve deixar mais netos.

Para testar essa ideia, os pesquisadores procuraram ver se as mulheres têm uma preferência mais forte por homens atraentes como parceiros de caso durante o período fértil de cada mês, a única vez em que podem realmente adquirir esses genes sensuais para seus filhos. Até agora, as evidências são ambíguas: alguns estudos mostram essa “mudança ovulatória” na preferência, enquanto outros não. “Isso me leva a acreditar que provavelmente há algo lá”, diz Hill. “É que terá mais nuances.” Por exemplo, uma análise de Steven Gangestad, psicólogo evolucionista da Universidade do Novo México em Albuquerque, e colegas descobriu em um estudo ainda não publicado que a mudança ovulatória prevista ocorreu apenas para mulheres em um relacionamento de longo prazo, não para mulheres. Se esse resultado for mantido, pode sugerir que as mulheres sem par estão buscando algo diferente de genes sexy por meio de seu comportamento de acasalamento de curto prazo.

Uma possibilidade relacionada é que as mulheres não estão necessariamente procurando genes melhores do que os que seus parceiros de longo prazo oferecem, apenas genes diferentes. Essa estratégia faria sentido em tempos incertos, quando é difícil prever que tipo de genes darão à prole a melhor chance de sucesso. Nessas circunstâncias, a melhor estratégia de uma mulher pode ser limitar suas apostas e buscar uma variedade de pais diferentes para seus filhos, na esperança de que um termine com as coisas certas. (Os genes são apenas um dos muitos fatores que contribuem para o eventual sucesso de uma criança na vida, é claro. Mas se eles realmente importam, a proteção de apostas em tempos instáveis ​​deve valer a pena.)

Essa ideia também encontra algum apoio. Por exemplo, Hill e seus colegas mostraram a algumas mulheres uma apresentação sobre o risco de um aumento nos surtos de doenças no futuro, uma ameaça evolutivamente familiar que a diversidade genética pode ajudar a combater; outras mulheres assistiram a uma apresentação sobre recessão econômica, projetada para representar uma ameaça com a qual os ancestrais humanos não teriam evoluído para lidar. Com certeza, as mulheres que ouviram falar sobre a doença expressaram interesse em uma gama maior de parceiros de namoro logo em seguida. “Essas mulheres queriam mais variedade”, diz Hill. “Isso é consistente com o que você esperava. O salmão do Atlântico faz exatamente a mesma coisa.” (Em ambientes com muitas doenças, as fêmeas de salmão preferem acasalar com vários machos.)

Em um estudo, mulheres que achavam que muitas vezes contraíam doenças expressaram interesse em procurar uma variedade maior de parceiros sexuais após uma apresentação que destacava os muitos riscos de doenças infecciosas. Uma apresentação semelhante destacando o risco de fracasso escolar não produziu o mesmo efeito. Mulheres que não se sentiam vulneráveis a doenças não foram afetadas por nenhuma das apresentações.

Mas David Buss, psicólogo evolucionista da Universidade do Texas em Austin, e um dos pioneiros no trabalho com estratégias de acasalamento, acha que as mulheres devem estar atrás de mais do que apenas genes. Afinal, as mulheres não têm relacionamentos de curto prazo apenas durante o período fértil, quando os genes de seus parceiros são relevantes. Além disso, um estudo de 1992 mostrou que 79% das mulheres acabam se apaixonando por seu parceiro. (Isso é verdade para apenas cerca de um terço dos homens.) “Isso é exatamente o oposto do que você poderia prever se tudo que você quisesse fossem bons genes. Se você está apenas recebendo genes do seu parceiro amoroso, envolver-se emocionalmente é uma coisa desastrosa de se fazer”, diz Buss.

Em vez disso, Buss sugere que as mulheres podem estar usando casos de curto prazo como uma forma de procurar um companheiro melhor. Como prova, ele aponta para o mesmo estudo de casos de 1992, que também mostrou que as mulheres, muito mais do que os homens, tendem a iniciar um namoro quando estão insatisfeitas com o atual companheiro. Além disso, as mulheres tendem a não rebaixar seus padrões na escolha de um parceiro, preferindo homens que sejam inteligentes, ambiciosos e confiáveis — as mesmas qualidades que procuram em um parceiro de longo prazo. Mulheres que não estão atualmente em um relacionamento de longo prazo podem, da mesma forma, usar ligações de curto prazo como uma forma de testar potenciais parceiros de longo prazo, diz Buss.

Jogadores de estratégia única

Alguns críticos, de fato, questionam se as mulheres têm uma estratégia separada de acasalamento de curto prazo. Em vez disso, eles sugerem que todos os esforços para formar casais são basicamente semelhantes, quer o relacionamento seja longo ou curto. Isso implica que a maioria dos relacionamentos de curto prazo são simplesmente aqueles que nunca alcançam o limiar do apego para se tornarem duradouros, diz Paul Eastwick, psicólogo da Universidade da Califórnia, Davis. Eastwick e seus colegas pediram a várias centenas de voluntários para relembrar seus relacionamentos de curto e longo prazo mais recentes e marcar, em uma lista, a sequência de estágios pelos quais cada relacionamento passou, desde o primeiro conhecimento do outro até namoro, sexo e então casamento. Os voluntários também avaliaram seu nível de interesse romântico em cada um desses eventos marcantes.

Ambos os relacionamentos de curto e longo prazo passaram por trajetórias quase idênticas, com níveis muito semelhantes de interesse romântico, em seus primeiros dias, os pesquisadores descobriram. Os relacionamentos de curto prazo, é claro, passaram por menos eventos no total. Em outras palavras, todos os relacionamentos começam iguais e só começam a se diferenciar à medida que o casal começa a se conhecer. “As pessoas muitas vezes não sabem se querem fazer sexo algumas vezes e depois se despedir ou se essa é uma pessoa com quem gostariam de ficar por muito tempo”, diz Eastwick. (Alguns relacionamentos, como uma noite com estranhos, são inequivocamente de curto prazo, ele admite. Apenas uma pequena fração — cerca de 3 por cento — de seus voluntários descreveu tais relacionamentos, embora outros estudos colocassem esse número muito mais alto, em quase 10 por cento das pessoas.)

Eastwick acha que as mulheres priorizam a atratividade física de seus parceiros no início de um relacionamento, porque é isso que é imediatamente perceptível. À medida que o casal se aproxima, porém, suas prioridades mudam para características como carinho, humor e confiabilidade.

A maioria dos relacionamentos românticos parece seguir uma trajetória semelhante no início, quer terminem rapidamente ou durem muito tempo, mostra o trabalho de Paul Eastwick. Este gráfico mostra como o interesse sexual pelo parceiro muda à medida que o relacionamento avança por uma série de eventos possíveis, como primeiro encontro, primeiro beijo e primeiro encontro sexual. As evidências não mostram nenhum sinal de distinção desde o início entre casos breves e intensos e relacionamentos mais longos e deliberados.

“Acho que temos dois sistemas adaptativos projetados para funcionar em sequência, não dois tipos de relacionamentos para dois tipos de resultados adaptativos”, diz Eastwick. Como muitos relacionamentos de curto prazo nunca passam do estágio de atratividade física, isso pode fazer com que as mulheres (e os homens também) pareçam estar escolhendo entre duas estratégias distintas — preferindo a sensualidade para relacionamentos de curto prazo e confiabilidade para os de longo prazo — mesmo quando eles não são.

Claro, essas explicações para o comportamento de acasalamento de curto prazo das mulheres não são mutuamente exclusivas, e as mulheres também podem ter outros motivos para ter um breve caso. “O sexo é usado para muitas coisas diferentes, muitas das quais não têm nada a ver com a reprodução”, diz Hill.

Outros apontam os limites de pensar sobre as estratégias de acasalamento humanas como monolíticas e imutáveis ​​ao longo dos anos. Em particular, o comportamento humano evoluiu para ser altamente flexível, permitindo que nossos ancestrais se adaptassem rapidamente às mudanças nas condições ambientais, observa Alice Eagly, psicóloga social da Northwestern University. “Isso faz parte do nosso sucesso como espécie, que vivemos em circunstâncias variadas, então inventamos maneiras de lidar com isso”, diz ela. “Escolhemos um cônjuge pensando:‘ O que vai funcionar na vida que acho que terei? ’Somos criativos sobre isso e nossas escolhas mudam.”

Essa flexibilidade ocorre, por exemplo, em comparações interculturais. Em sociedades mais tradicionais, onde os papéis de gênero são definidos de forma mais precisa, as mulheres valorizam mais as perspectivas financeiras de um parceiro em potencial, enquanto os homens valorizam as habilidades domésticas das mulheres. Em culturas mais ocidentalizadas, onde as mulheres têm mais independência e igualdade, as preferências de parceiro dos dois sexos tornam-se mais semelhantes, diz Eagly.

E mesmo os psicólogos evolucionistas alertam contra a leitura excessiva das tendências evolutivas que destacam. “Quando você diz que os homens estão mais interessados ​​em sexo casual do que as mulheres, eles pensam que todos os homens e todas as mulheres”, diz Peter Jonason, psicólogo evolucionista da Western Sydney University, na Austrália. “Ninguém disse a palavra todos, mas eles ouvem a palavra todos.” Jonason, como a maioria dos psicólogos evolucionistas de renome, tem o cuidado de observar que estuda tendências amplas, não regras rígidas. As pessoas variam — muito — e as diferenças de sexo só surgem em média entre muitos homens e mulheres. Você não pode usar esses padrões para prever como qualquer pessoa em particular irá agir.

Uma das grandes questões para o futuro, diz Buss, é como nossas estratégias evoluídas de acasalamento se desenrolam no mundo moderno, onde os anticoncepcionais reduzem o risco de gravidez das mulheres e a independência econômica, pelo menos parcialmente, as liberta de precisar dos recursos de um parceiro para criar os filhos. O namoro pela Internet, que traz milhões de parceiros em potencial ao alcance de nossos telefones, pode ser um curinga ainda maior. O tamanho desse grupo de companheiros torna as pessoas mais exigentes? Ninguém sabe ainda. Fique atento.

Tradução do texto Sex strategies of the evolutionary kind escrito por Bob Holmes e disponível em Knowable Magazine.

Mário Pereira Gomes
Mário Pereira Gomes

Graduado em História (UFPE), transhumanista e divulgador científico.

Gostou do conteúdo?

Nossa organização depende do retorno do público. Sua ajuda, portanto, seria muito bem vinda. Para colaborar, clique no coração!