Nos últimos anos, muitos indivíduos da esquerda política vem seriamente transmitindo a mensagem de que aquilo que um indivíduo se atrai (isto é, preferência por parceiros) é inteiramente construído pelo ambiente. Suas razões para fazer isso parecem sinceras. Tomemos, por exemplo, a conexão frequentemente citada entre o retrato que a mídia faz dos padrões femininos de beleza e distúrbios alimentares como anorexia e bulimia. Para os pós-modernistas, uma vez que os padrões de atração são vistos como produzidos ambientalmente, o retrato “estereotipado” da beleza feminina da mídia também é visto como sendo ambientalmente produzido, sexista e, portanto, injustificável.

O pós-modernismo (ver também Teoria Crítica e A Escola de Frankfurt) combate esse preconceito percebido tentando justificar a necessidade de impor mudanças no status quo. Mais notavelmente nas notícias recentes, muitos estudantes de artes liberais tentaram deplantar oradores como Charles Murray, Christina Hoff Sommers e Ayaan Hirsi Ali de falar em seus campi. Limitar a liberdade de expressão tem sido apenas uma das maneiras pelas quais o pós-modernismo e as pessoas de extrema esquerda tentaram controlar o ambiente. Reformas (às vezes obrigatórias) foram vistas no uso de pronomes, tamanhos de refrigerantes, mídia, brinquedos infantis, atitudes sociais, etc.

A ideia deles é que como o meio ambiente (e não a biologia) afeta a nossa atitude, se você muda o ambiente, você muda a pessoa e, assim, a sociedade melhora. Ao minimizar ou ignorar o papel que a biologia tem na natureza humana, os pós-modernistas podem efetivamente culpar todos os males do mundo moderno em leis mal elaboradas, na política externa dos Estados Unidos ou nas atitudes culturais ocidentais. Aqueles que discordam de sua opinião podem ser denunciados como intolerantes e postos de lado.

Felizmente, sua hipótese é falseável e, portanto, pode ser refutada. Aqui está um rápido experimento mental: mude todas as imagens de beleza masculina e feminina na mídia, filmes, outdoors, placas, estilos de roupas, etc., e para que a visão pós-modernista seja verdadeira, em algumas gerações você deverá ser capaz de convencer mulheres heterossexuais de que um torso em forma de V em um cara ligeiramente mais velho com abundância de recursos não é atraente e mostrar aos homens heterossexuais que uma jovem com baixa relação cintura quadril (RCQ) e cabelo comprido também não é atraente. Boa sorte com isso — porque para que esse fosse o resultado, teria de haver literalmente um “Fantasma na Máquina”.

Por mais absurdo que possa parecer, é exatamente isso que muitos pós-modernistas parecem acreditar milagrosamente: se você pudesse simplesmente exorcizar os “fantasmas sexistas” e colocar os igualitários e seculares de volta dentro de nós, a máquina se comportaria mais moralmente.

Como psicólogo evolucionista de Harvard, Steven Pinker apontou em Tábula Rasa; a ideia do Fantasma na Máquina está ligada à doutrina do “Bom Selvagem.“ A doutrina do Bom Selvagem é basicamente a falsa crença de que, uma vez, nossos ancestrais viveram pacificamente uns com os outros, embora coexistissem harmoniosamente com a Mãe Natureza. Os que acreditam no mito do Nobre Selvagem e do Fantasma na Máquina pensam que coisas como preferências de parceiro, agressão e ciúme sexual são meras construções ocidentais que não surgiram na escala de tempo evolutiva até que “os grandes homens brancos e maus bagunçaram tudo com seu capitalismo.” Michael Shermer zombeteiramente se refere a essa visão da natureza humana como a Disneyficação do nosso passado.

Imploro à esquerda acadêmica: é hora de superar o medo da biologia evolutiva. Se você quer se livrar do racismo e do sexismo, você não pode fazer isso invocando fantasmas.

Não me entenda mal. Não estou atacando a esquerda. Novamente, como Steven Pinker apontou, a esquerda e a direita são realmente estranhas companheiras de cama aqui. A direita tende a acreditar que a evolução é uma afronta ao seu senso de moralidade porque desafia o design inteligente. A esquerda tende a acreditar que a evolução é uma afronta à moral porque, de alguma forma, justifica o sexismo, a escravidão e o genocídio.

Na verdade, alguns alunos tentaram me convencer de que a razão pela qual o dimorfismo sexual nos tamanhos dos gametas existe em homens e mulheres é a opressão patriarcal que as mulheres sofrem. Embora deva ser extremamente óbvio que essa é uma noção absurda, para muitos não é.

Não estou dizendo que não existe discriminação contra as mulheres – existe. Estou dizendo que a discriminação que as mulheres sofrem não é a razão pela qual os machos produzem cerca de 500 bilhões de células de esperma ao longo de suas vidas a uma taxa de 1.500/segundo, enquanto as fêmeas produzem um número finito de óvulos, dos quais apenas 400 são ovulados durante os anos férteis de sua vida.

Não estou dizendo que o patriarcado religioso não seja um problema — é. Estou dizendo que o patriarcado não é a razão pela qual um homem pode ejacular em uma mulher e fugir e copular minutos depois com outra pessoa, enquanto uma mulher é obrigada (em termos evolutivos) a arcar com o custo de 9 meses de gravidez, durante os quais ela não pode ter outros bebês.

Esses são fatos de física, química e tempo — não sexismo.

Genghis Khan, o homem mais prolífico da história, poderia ser pai de 1.000 a 2.000 filhos, enquanto o recordista da mulher mais prolífica (cujo nome é desconhecido) deu à luz apenas 69 filhos. Mulheres engravidam, homens não. É assim que evoluímos das cinzas da alquimia estelar (frase de Sagan).

A multidão que afirma que “sua atração é socialmente construída” é, como tantos outras, composta de fanáticos por escolher suas provas a dedo. A maioria das evidências no Reino Animalia (que as ciências sociais frequentemente se esforçam para ofuscar deliberadamente) mostra que a fêmea investe mais na prole e, portanto, é mais discriminadora e seletiva quanto ao sexo.

Quando a teoria binária de gênero e a biologia são apresentadas a eles, eles justamente apontam seus holofotes morais sobre os outliers conhecidos (ou seja, as poucas espécies em que o macho investe mais do que a fêmea): o grilo mórmon, o sapo flecha venenoso, o cavalo-marinho, o peixe-cachimbo e aquele verme chato que engravida depois que seu pênis cai em um duelo. Os pós-modernistas também apresentam padrões discrepantes nas preferências de parceiros. Por exemplo, no Peru e no Hadza da Tanzânia, os homens tendem a preferir mulheres mais pesadas e se desviar do que a psicologia evolucionista poderia prever.

Por mais interessantes que esses outliers ou anomalias possam parecer, eles foram explicados em termos de variações na ecologia e na escassez de alimentos e de forma alguma minimizam o que a grande maioria dos dados aparentemente mostra.

O que não pode ser esquecido é a esmagadora preponderância de evidências que apoiam a universalidade nas preferências dos parceiros. Na verdade, apenas recentemente um estudo de quase 10.000 homens e mulheres em 33 países e 37 culturas encontrou uma diferença consistente na preferência sexual entre homens e mulheres que seria prevista pela teoria da evolução. Os padrões de beleza pelos quais mulheres e homens são atraídos não são fantasmas pós-modernistas inseridos em uma máquina, mas sim sinais evoluídos para virilidade e fertilidade e, portanto, sobrevivência.

Se existisse um grupo de hominídeos em que o macho não fosse valorizado por suas proezas físicas e capacidade de fornecer recursos e a fêmea não fosse valorizada por sua fertilidade, esses hominídeos não teriam se tornado nossos ancestrais. Traços físicos como torso em forma de V nos homens e baixa RCQ nas mulheres são indícios no sexo oposto que indicam a probabilidade de sobrevivência da prole. Assim como teria sido um benefício adaptativo para nossos ancestrais ficarem enojados com deformidades faciais assimétricas em um parceiro em potencial, eles também teriam se beneficiado por serem capazes de detectar os benefícios de sobrevivência que traços físicos atraentes em um parceiro indicariam. Isso pode ser desconfortável de ouvir para alguns, mas como isso nos faz sentir não minimiza sua veracidade.

Os pós-modernistas criticam a psicologia evolucionista alegando que ela justifica estereótipos sexistas. Mas eles são negligentes por fazê-lo: a PE claramente postula que porque “o que uma vez foi” não significa que “deveria ser” (apenas o dogma da religião e do nacionalismo dizem isso). A mídia pode ser responsável por perpetuar “estereótipos”, mas não em tê-los criado.

Uma das fontes mais acaloradas de contenção entre o pós-modernismo e a psicologia evolucionista diz respeito a se as mulheres são ou não “interesseiras”, como Kanye aludiu. Na literatura, isso é conhecido como hipergamia. Psicólogos evolucionistas (Buss et al.) postulam que essa estratégia de preferência do parceiro evoluiu nas mulheres como resultado de pressões seletivas para ajudar a garantir a sobrevivência de sua prole. Aqui está um dos argumentos mais fortes do pós-modernismo contra as preferências de parceiro como resultado da evolução. De acordo com essa visão, a razão pela qual as mulheres preferem homens mais ricos é porque os homens tradicionalmente excluem as mulheres do poder de tomada de decisão e do acesso aos recursos. Os pós-modernistas postulam que a razão pela qual os homens não valorizam as parceiras com recursos (tanto quanto as mulheres fazem nos homens) é porque os homens já controlam a maior parte do dinheiro de qualquer maneira (isso é coloquialmente conhecido hoje entre os pós-modernistas como privilégio masculino e como a hipótese de impotência estrutural por psicólogos evolucionistas).

Se a hipótese de impotência estrutural (que às vezes é chamada de teoria do papel social) fosse verdadeira (em outras palavras, se a razão pela qual as mulheres preferem homens com mais recursos é porque as mulheres são mantidas em uma posição de privação), então as mulheres em sociedades mais igualitárias deveriam igualmente prefere homens que ganham a mesma quantia de dinheiro ou menos do que eles. Uma vez que as mulheres nessas culturas já têm recursos iguais, se a teoria do papel social estiver correta, seria de prever que elas não precisariam “casar para cima”, como é chamado. Não é de surpreender que isso não seja visto nos dados.

Experimentos cuidadosamente controlados usando uma variedade de métodos com diversas populações (incluindo os Bakweri da República dos Camarões, mulheres bem-sucedidas nos Estados Unidos, mulheres ricas e graduadas na Espanha, mulheres na Sérvia e etnografias online) lançaram fortes dúvidas sobre essa hipótese. Em todas essas investigações multimodais, os resultados refutaram a teoria do papel social. Em cada um desses estudos, as mulheres que tinham controle pessoal dos recursos e que tinham tantos ou mais recursos do que os homens persistiram em preferir homens com mais recursos do que elas. Um número significativo de mulheres muito ricas tinha uma preferência ainda mais forte por homens mais ricos do que as mulheres de renda média.

A evidência não apenas não apoia a hipótese de impotência estrutural, como a contradiz completamente.

Mas não devemos jogar fora a explicação ambiental completamente, nem devemos cegamente anunciar uma visão biologicamente determinista da natureza humana. A pesquisa em psicologia evolucionista é bastante vasta e, por isso, pinta um quadro bastante complexo que requer uma abordagem diferenciada. Isso é especialmente verdade quando as variações na ecologia são levadas em consideração. Parece que somos biologicamente programados para ter uma série de reações em resposta a variações na ecologia.

Em sociedades e culturas onde doenças e parasitas são mais prevalentes, por exemplo, machos e fêmeas são mais propensos a ter o que alguns podem chamar de preferências “estereotipadas” de parceiro. Isso porque, em um ambiente insalubre, buscar padrões de beleza (como a simetria facial) conferiria uma vantagem que aumentaria a probabilidade de saúde dos filhos. Portanto, em um ambiente angustiado, se uma mulher pudesse determinar que um homem tinha uma doença, sua prole teria uma chance melhor de sobreviver. Como resultado, as características físicas que indicavam a virilidade e a fertilidade tornaram-se preferencialmente selecionadas. Em muitas sociedades modernas (como a maioria das ocidentais), onde há menos chances de infecções, os humanos costumam escolher parceiros com base em coisas como honestidade, senso de humor e valores comuns.

Depois de alegar que a hipergamia é apenas uma conspiração sexista, o suspiro final dos pós-modernistas para provar que as preferências sexuais são socialmente construídas vem na forma de defender a noção de que o gênero é, de alguma forma, socialmente construído. Até certo ponto, há um componente social óbvio nisso. No entanto, as preferências de brinquedos dos primatas, os dados etológicos envolvendo a divisão do trabalho em outros animais e os dados transculturais mostram um forte grau de universalidade na desigualdade de gênero. As diferenças nas normas e papéis de gênero tendem a ser persistentes entre as culturas e por vastos períodos de tempo.

Por exemplo, estudos replicados mostram que se os antepassados de alguém vieram de uma cultura que utilizou o arado como ferramenta de cultivo (em comparação com o uso de ferramentas manuais), a atitude de uma pessoa em relação ao gênero pode ser prevista com segurança como sendo mais “tradicional”. Se os antepassados de alguém vivessem em sociedades agrárias onde grandes animais domesticados puxavam enormes pedaços de metal pela terra, eles não gostariam de ter filhos por perto. Se um grupo de hominídeos decidisse ter filhos próximos a esses perigos potenciais, eles provavelmente não seriam um ancestral nosso. Como se poderia prever, as culturas que utilizaram essa inovação cultural no passado têm hoje normas de gênero que seriam descritas como “tradicionais” (onde as mulheres cuidavam das crianças enquanto os homens trabalhavam).

Em ecologias onde os hominídeos não evoluíram em torno de grandes animais domesticados puxando arados, crianças pequenas podiam ficar por perto enquanto os adultos cavavam a terra com as mãos. Essas culturas, previsivelmente, hoje têm normas de gênero mais igualitárias.

Em certo sentido, a teoria do papel social está correta: há um componente ambiental — apenas não o mesmo que os teóricos do papel social costumam enfatizar. O componente ambiental é a ecologia da terra para onde os ancestrais de alguém migraram depois de deixar a África e não um fantasma na máquina.

Nossa fisiologia é um museu ancestral, uma ladainha de bagagem evolutiva que muitas vezes não coopera bem com nosso clima cultural atual. O que ajudou nossos ancestrais a sobreviver no passado pode não funcionar tão bem hoje. Nossa propensão a ódios intergrupais, nosso desejo insaciável por alimentos gordurosos e frutas fermentadas, o fato de meninas de onze anos ovularem, o desejo de punir dissidentes, recompensar punidores e a capacidade de formar coalizões para forçar a retirada de recursos de outros nos mantiveram vivos. Seremos nós, como espécie coletiva, capazes de desenvolver a sabedoria para compreender que o que funcionou no passado pode não funcionar bem hoje e pode, de fato, ser prejudicial à nossa sobrevivência coletiva? Podemos nós, como espécie, avançar com nossos impedimentos evolutivos sem nos autodestruir?


Tradução do texto What You’re Attracted to Isn’t “Socially Constructed”, escrito pelo psicólogo Reza Ziai e publicado em Areo Magazine.

Lucas Ferreira
Lucas Ferreira

É biólogo pela UFRN, estudante de Ciências Sociais e atual mestrando no programa de pós-graduação em Psicobiologia pela mesma universidade.

Gostou do conteúdo?

Nossa organização depende do retorno do público. Sua ajuda, portanto, seria muito bem vinda. Para colaborar, clique no coração!