As perspectivas evolucionistas e biossociais para a violência letal crescem no mundo inteiro, e suas conclusões demonstram uma surpreendente convergência.